Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


Comentários recentes


Favoritos


subscrever feeds



Mensagem de Boas Vindas

Este blogue é feito por Amigos para Amigos, porque a Amizade é uma das melhores coisas da vida. Quem vier por bem será bem acolhido. Sejam bem vindos!

Coisas do reino

por Henrique Antunes Ferreira, em 29.01.16

 

 

Curiosas as denominações das prendas que sempre trazemos para amigos e familiares a relembrar tempos passados que ficaram na terminologia de cá: azeite do reino, chouriços do reino, azeitonas do reino e claro bacalhau, mas este não é do reino. Ou seja, é capaz de ser, mas do “reino” actual que é uma república. Dom Duarte Pio de Bragança não é para aqui chamado embora seja considerado pelos monárquicos (poucos) pretendente ao “Reino” de Portugal e daí a referência a par do azeite, dos chouriços e das azeitonas.

 

Além disso há outros pretendentes, mas no caso presente são ao “reino” dos CD, DVD et aliud. Mesmo gente da alta, brâmanes incluídos, médicos, advogados, engenheiros, farmacêuticos e outros pedem-nos para trazer músicas interpretadas pelo Quim Barreiros, pelos Carreiras, pai e filho, pela Romana, Agata, Roberto Leal, Ruth Marlene, todos eles fazem parte daquilo que é conhecido como música pimba.

 

A caminho de Margão, a segunda cidade do estado de Goa, maior e mais importante no que respeita ao comércio, representações de firmas estrangeiras e outras coisas mais do que a capital Pangim, ou Ponjé (em concanim) ou Panaji (termo oficial, que quase só se utiliza em documentos ou letreiros oficiais) ou ainda a Nova Goa. Mas nesta é que está o poder – e o dinheiro do turismo e das minas. Goa é o menor dos estados da Índia, mas o que tem o PIB maior. No carro vou recordando o caminho musical a que tenho assistido desde 1980, a primeira vez que visitei o território.

 

Não me parece importante registar as épocas, mas recordo os cantores que durante estes 35 anos eram “encomendados” pelos respectivos fãs: à cabeça a Amália, e logo a seguir o Carlos Ramos, o Carlos do Carmo, a Hermínia, a Maria de Lourdes Resende, a Simone de Oliveira, a Madalena Iglésias, o Tony de Matos, o Tristão da Silva e etc. Era o fado no seu apogeu. Quando chegaram a Mariza, a Ana Moura, a Aldina Duarte, o Zambujo e o Camané, os goeses já não lhes ligaram grande importância.Adeus fado que te foste à vida... Tinham-se mudado para o pimba… Porém ainda há um concurso de fados. O mais curioso é que os intérpretes não falam… português!

 

Volto, entretanto, aos alimentos que vinham do reino e mantiveram essa denominação. É bem o exemplo da herança lusitana, a par com outras tais como as denominações de pratos da gastronomia goesa que tem pouco a ver com a indiana. O sarapatel é o descendente do sarrabulho, o vindalho é a vinha d’alho, a fijoada é feijoada, os croquetes picantes são os nossos croquetes com rolão (pão ralado) e tudo. São muitas as receitas dos portugas a que se juntaram os temperos da região.

 

No entanto, há um facto que me entristece. No Magson’s a maior cadeia alimentar da Índia e naturalmente de Goa. Nas suas prateiras pode encontrar-se azeite espanhol, italiano, grego, marroquino, tunisino, líbio e até argelino. Português, nicles. Queijos importados de todas as origens e paladares, da Serra nem vê-lo. Com as cervejas passa-se o mesmo. Só ano passado consegui descortinar garrafas minis de Super Bock. Aguardentes velhas ou novas nem com um telescópio…

 

Quem chega pela primeira vez a esta terra abre a boca de espanto ao dar com a farmácia João Silva ou a loja Lembrancas (faltam por cá os cês cedilhados, mas o til ainda se consegue arranjar), há o café Central e outro Real. No Jardim Garcia de Orta pode-se encontrar o clube Vasco da Gama. Muitos mais exemplos poderia o escriba alinhar, mas, para já, não pretendo fazer a lista telefónica que, por acaso – ou não – está bem recheada de Menezes, Mascarenhas, Gracias, Barbosas e, como não podia deixar de ser, Silvas e Xavieres. Isto porque o santo continua a ser o apóstolo das Índias e do restante Oriente…

 

Por ignorância congénita o autor confessa que - neste momento - não sabe como ilustrar este textículo. Quando souber - se algum dia souber... - voltará aqui para inserir as gravuras. Desculpem e muito obrigado

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Comentários recentes


Favoritos


subscrever feeds