Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Comentários recentes


Favoritos




Mensagem de Boas Vindas

Este blogue é feito por Amigos para Amigos, porque a Amizade é uma das melhores coisas da vida. Quem vier por bem será bem acolhido. Sejam bem vindos!

O 25 de Abril em Goa

por Henrique Antunes Ferreira, em 28.04.16

 

AR Marcelo.jpg

 


Só através da RTPI consegui seguir, ainda que com quatro horas e meia de diferença, as comemorações do 25 de Abril. A televisão de caris internacional está melhor, mais variada e com mais informação sobre os mais diversos temas. E foi o caso do dia de redenção do regime salazarento, uma época criminosa, ultrajante e devastadora dos melhores Portugueses em todos os domínios da sociedade. Foi com emoção, quase comoção - por que razão esconde-las? - que vi os capitães de Abril na Assembleia da República e ouvi as palavras do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, de quem não gostava, mas começo a apreciar. A distância até acentuou a felicidade de termos de volta o 25 de Abril! Que diferença da anterior múmia acéfala que desempenhou  o cargo! E que, ironia da sorte, se sentou ao seu lado acompanhado da inefável dona Maria. Os regulamentos e as disposições parlamentares permitem (e obrigam) esta incrível situação..pessimamente.

 

mario-soares.jpg

 

Expliquei a alguns amigos goeses o que fora afinal o 25 de Abril de 1974, porque muitos deles consideram Mário Soares um traidor ao assinar juntamente com Indira Gandhi o tratado que "entregou" Goa à Índia, aceitando assim a invasão pelas forças indianas que em 18/19/20 de Dezembro de 1961 o tenham feito. Elucidei-os de que o culpado da descolonização um tanto apressada fora Oliveira Salazar que voltado sobre si mesmo, como um autista provinciano recusara outra solução. Vi cenhos franzidos com o aspecto de "que vem fazer aqui este gajo?E diz ele que é mais goês do que os goeses... Vá contar mentiras para o raio que o parta!" Por isso, há que dizê-lo, os resultados não foram muito satisfatórios; os que consideravam Soares um traidor nisso persistiram Os que mudaram as suas opiniões sobre o tema não foram muitos. Porém foram os suficientes para me deixar um tanto satisfeito.

 

O "meu" 25 de Abril de 2016 em Goa ficará para a História - pelo menos a minha...

Autoria e outros dados (tags, etc)


27 comentários

Sem imagem de perfil

De Rui Espirito Santo a 03.05.2016 às 13:25

Exactamente, Henrique !... Não tiraria nem acrescentaria uma vírgula ao que escreveste ! É isso mesmo ! ... e tal como eu referi !

Salazar preferiria que não sobrevivesse um único militar nem um vaso de guerra e teimoso e casmurro como era, nunca entregaria A Índia Portuguesa por nada deste mundo ! ... Era um lunático !!! ... mas foi vencido pela força do "inimigo" !
Mário Soares, sim, esse optou pela legalização de um facto, na prática consumado (mas contra o direito internacional), mas foi ele de facto que assinou a entrega !

Um grande abraço ! ... e já são horas do regresso ! Então ? ...rsrs
Imagem de perfil

De Henrique Antunes Ferreira a 03.05.2016 às 21:00

Ruiamigo

Chego a delirar quando se estabelece uma "querela" aqui. Adoro polémicas - creio que já o sabes. Se isto é o começo de uma - óptimo!

Os factos que enunciei, tão escalonados quanto me foi possível resultam da muita documentação - e, também, da investigação mais cuidadosa- Creio mesmo que entre os jornalistas portugueses serei o que mais se tem debruçado sobre o assunto. Do que estou orgulhoso, e sem me pôr e, bicos de pés. Um elefante não pode dançar em pontas...

Mas, para além do tema: "Estado Português da Índia - sua construção histórica desde Vasco da Gama até Dezembro de 1961" sobre o qual até já palestrei, a descolonização apaixona-me. Deixa-me que te diga: quando em 1974 decidimos, a Raquel e eu, depois do 25 de Abril do mesmo ano, regressar logo a Portugal disseram em Luanda (até familiares...) que éramos da UFA, União dos Fugitivos de Angola.

Porém, o nosso lugar era cá - e por termos abandonado Angola em tempo, ainda que com a mala às costas trazendo os livros e 70.000 escudos, resultados e receitas astronómicas do "colonialismo" dos Antunes Ferreiras, não fizemos parte dos chamados "retornados".

Tenho de acrescentar que depois, já em Lisboa, tivemos "acampadas" no nosso novo e modesto apartamento 17 (sublinho DEZASSETE) familiares, entre mulheres, homens, velhos, velhas e crianças, esses sim retornados e os mesmos que nos tinham acusado de sermos da UFA...)

A Raquel teve até de pedir na TAP (onde trabalhava pois fora transferida atempadamente e sem cunhas, de Luanda para Lisboa) mantas utilizadas aos quadrados azuis, lembram-se? que tinham sido retiradas dos aviões pelo uso intenso que tinham suportado.

Eu estive desempregado (na única vez na vida!) seis meses em busca de emprego até o Mário Sottomaior Cardia para integrar a redacção do "Portugal Socialista" onde ao fim de uma semana os jornalistas que ali trabalhavam propuseram ao director Cardia que, face aos meus conhecimentos fosse nomeado Chefe da Redacção. Espero que Ruiamigo não entendas isto como auto-elogio estúpido...

Das dificuldades imensas por que passámos (tínhamos já três filhos, o Miguel com dez anos, o Paulo com oito e o Luís Carlos com cinco) que nunca revelei por escrito, faço-o agora porque julgo que as mereces saber, só os Antunes Ferreiras souberam - e os Amigos que muito nos ajudaram...

Portanto da descolonização sempre a tentei entender e sobre ela escrever. E foi o que fiz. Nesse contexto tive de admirar Mário Soares que fora meu professor de História quando eu tinha 13 anos (em substituição da docente no Camões que fora ter um filho e nunca mais voltara...)

Sempre adorei a História, mas o Mário o que me ensinou foi...política) Fiquei ligado a ele para a "eternidade" e penso que o saldo entre qualidades e defeitos pende obviamente para os primeiros, ainda que tenha por vezes um "mau feitio". Foi o meu "pai político"...

O seu papel na descolonização possível teve a maior importância pois curto era o tempo para a concretizar. No caso de Goa, Damão e Diu, assinou o tratado entre Portugal e a Índia, para reconhecer de jure o que estava consumado de factum. Portanto para mim não foi um traidor, bem pelo contrário. E o seu nome já está na História, gostem ou não gostem dele. Eu - gosto

Já vai longo este texto que trouxe à luz coisas que se tinham alojado no meu íntimo. Disso te peço desculpa , do tempo que te roubei. Espero que esta troca de opiniões se transforme em polémica... Por isso aqui deixo o convite a quem já comentou um assunto que ainda nem saiu do adro... Participem, sempre serão bem vindos.

Qjs da Raquel e abç do Leãozão
Sem imagem de perfil

De Rui Espirito Santo a 03.05.2016 às 21:34

hehehe... Polémica , amigo Henrique ?... Não vejo , nem motivo causa, nem ela em si mesma !!!...
Nem entendo este teu post, que foge completamente ao assunto de base ! ... Nada disso estava em causa !

Se leres bem os meus comentários e o teu anterior, ambos estamos perfeitamente de acordo sobre o que se passou em Goa Damão e Diu e sobre as acções dos seus intervenientes na
época e mais tarde !

... O que escreveste na primeira resposta, confirma inteiramente o meu comentário e estamos em perfeito acordo e sintonia ! :)

Agora se te referes à admiração por Mário Soares, desde há uns 20 anos, ai aí devo dizer-te, muito franca e abertamente que estamos em campos opostos ! :(
Admirei-o muito até aos anos 80 a 90, mas a partir daí não e nesse aspecto creio estar no meu pleno direito !
Não gosto, porque não ! :)))

... E sobre "polémica" (relativa ao assunto de base), acho que nada teremos a acrescentar mais ! Estamos de acordo (nos comentários) !

De resto , tudo bem, Amigo Henrique ! :))) ... Continuaremos amigos , apesar de gostares muito do "Marocas" e de eu não ! rsrsrs

Um Abraço ! :)) ... e olha que não vou "alimentar" qualquer tipo de desacordo ! hehehe ... (venha outro assunto! rsrs)
Imagem de perfil

De Henrique Antunes Ferreira a 04.05.2016 às 17:44

Ruiamigo

Dizes que de comentários já basta e que não vais "alimentar" qualquer tipo de desacordo: estás no teu pleníssimo direito de assim fazer; gostava que assim não fosse - mas é a vida...

Quanto ao Mário Soares estamos entendidos: eu gosto, tu não...

Se todos gostássemos do amarelo era um Mundo chato :-)))))

Abç do Leãozão

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor


Comentários recentes


Favoritos